Superar um término de relacionamento nunca será fácil para ninguém; existe a máxima que apenas sofre quem foi deixado e não é bem por aí: todos sofrem, uns mais e outros menos, mas todos sentem de alguma maneira.

Neste artigo vamos tentar entender o final de uma relação, quais os sinais que provavelmente deixamos passar, a responsabilidade que temos sobre esse fim e principalmente, como podemos superar esse término, parece difícil?

É difícil aceitar, entender e superar, porém, quando feita uma avaliação, vamos percebendo que os sinais estavam ali e não queríamos enxergar, pelo medo do fim.

Mãos unidas
Quando perceber que uma relação pode estar perto do fim?

Geralmente não é fácil perceber que uma relação está perto do fim, mas os sinais estão ali presentes. Vamos a eles:

  • Falta de diálogo – Conversar com seu parceiro, expor e dividir seus sentimentos, receios e até medos são importantíssimos. O outro como seu parceiro deve saber o que você sente, assim juntos terão a oportunidade de reverter essa sensação.
  • Quando os interesses se tornam incompatíveis No início da relação era fácil perceber o que ambos queriam, era importante encontrar interesses em comum e com o passar do tempo isso não pode se perder. Quando as vontades começam a se tornar incompatíveis, começa surgir um distanciamento e esse espaço pode ficar cada vez maior.
  • Quando um começa a ocupar seu tempo com outras coisas, como mergulhar no trabalho – passar muito tempo trabalhando pode sim ser um sinal de desinteresse do parceiro em estar em casa mais tempo e isso vai gerar um afastamento ainda maior.
  • Falta de paciência e irritabilidade – Quando a impaciência começa a se apresentar na relação e se prolonga por muito tempo é sim um mau sinal.
  • Aumento de críticas e de discordâncias - Outro ponto importante é o sentimento de oposição, muitas vezes não percebida, mas que se caracteriza por muitas críticas e discordâncias sobre assuntos que em outro momento se pensava parecido.
Responsabilidade Afetiva

Agora que já falamos sobre como identificar sinais de que a relação pode não estar indo bem, precisamos entender o que quer dizer o termo “Responsabilidade Afetiva”.

Nada mais é do que assumir o seu papel quanto às expectativas criadas em cima da relação. É muito comum que conforme o tempo vai passando que um dos dois decide rever e repensar esse papel. É um risco comum a todos, mas não se deve estimular um relacionamento dizendo que ama, que aquela pessoa é a mais importante em sua vida, fazer planos futuros, se existe consciência de que a relação não vai bem ou não se tem certeza dos seus sentimentos.

É importante salientar que ninguém é obrigado a amar ninguém e para uma relação ser saudável é necessário que se localize alguns pontos como alinhar expectativas, ter comprometimento com seus acordos e ser transparente com seus próprios sentimentos.

Responsabilidade Afetiva envolve entendimento, conversas, empatia e verdade, uma relação vem de um acordo entre pessoas que planejaram algo juntos, porém, não é uma sentença ou condenação, se os acordos não fizerem mais sentido, um novo entendimento será necessário, mesmo que seja o término da relação.

Casal separado
Se sou eu quem quero terminar, por que estou sofrendo?

Muitos acreditam que apenas as pessoas que levam um fora sofrem, mas isso não é verdade; um término pode doer para todos, quem terminou também pode sofrer e muito com esse fim.

Decidir terminar uma relação na qual foi investida muitas expectativas e sentimentos, que durou anos é uma tarefa muito difícil. Ansiedade e medo estão muito presentes nesse momento. Ansiedade em saber que sua decisão irá gerar infelicidade no outro pode trazer sentimento de culpa, medo da solidão e até insegurança sobre a decisão, inclusive questionando se está certo disso ou não, se vai ter arrependimentos, o que pode levar a mais dor e sofrimento.

O importante nesse momento é fazer um término honesto e cuidadoso com o parceiro, entender que o tempo que passaram juntos, mesmo que tenha chegado ao fim, foi bom e merece respeito. Cada um vai sentir e ter que lidar com suas próprias dores e com o tempo os entendimentos sobre o final vai acontecer.

Terminaram comigo e agora?

Superar o fim de um relacionamento é algo muito difícil, principalmente quando estamos muito envolvidos e não prestamos muita atenção nos sinais (porque eles aconteceram, como explicado anteriormente). Qualquer término deixa marcas acompanhadas da sensação de fracasso, tristeza e desilusão. Muitas pessoas descrevem esse momento como uma quase morte e deve ser uma sensação um pouco parecida mesmo, porque estão nos impondo algo que não queremos, como uma punição, onde não teremos mais acesso aquela pessoa que ocupava um grande espaço de nossa vida, é realmente viver um luto. E como todo luto é necessário força, sabedoria e principalmente, tempo para ele se acomodar à nova realidade.

Não existe regra para deixar de sofrer ou superar essa dor rapidamente, mas algumas atitudes podem ajudar e muito para que esses momentos não se prolonguem.

  • Não passe muito tempo sozinho – Esteja perto das pessoas que você ama e que te respeitam. Ter companhia pode fazer com que desvie o foco em alguns momentos e trazer sensação de prazer e pertencimento. Lembre-se de que você também precisa se permitir sofrer e entender o término e que em alguns momentos ficar sozinho pode ser saudável;
  • Se acolha e entenda seus sentimentos – Não se cobre tanto, não existe um tempo exato para esquecer alguém. Deixe todos os sentimentos que surgirem passarem por você. E não minta a si mesmo, isso só vai atrapalhar seu futuro;
  • Cuide de você – Algumas mudanças também podem ser feitas de fora para dentro, cuide da sua imagem, não se abandone, faça esportes, se alimente bem;
  • Não ignore suas responsabilidades – Um relacionamento não é vivido apenas por uma pessoa. Se ele não estava bom, a responsabilidade muitas vezes não apenas de uma única parte, revisite alguns momentos e evolua com seus erros;
  • Não tenha pena de si mesmo – Não caia nessa armadilha, que infelizmente é muito comum, apesar do término ter trazido muita dor, isso não significa que você não terá outra chance de ser feliz, aproveite o momento para descobrir, inclusive, que a sua felicidade jamais estará no outro;
  • Entenda que tudo é oportunidade – Faça do limão, uma limonada; isso mesmo, todo recomeço é difícil, mas pode ser muito prazeroso. Aproveite esse momento em que está revisitando culpas, responsabilidades, medos e use como impulsionador para uma mudança;
  • Use o tempo a seu favor – A dor e o sofrimento tem dia para acabar, isso vai acontecer, só não se pode determinar o dia correto. Faça o tempo ser seu amigo, não deseje que ele passe rápido, apenas pegue o controle de sua vida e siga o fluxo natural;
  • Faça terapia - O processo terapêutico pode proporcionar entendimentos e transformações muito importantes para sua nova fase de vida. Entenda seus sentimentos e projete seu futuro.

Depois de passar por tudo isso, permita reinventar-se, pegue o melhor das suas características, todos os aprendizados e junte eles com as novas oportunidades que virão. Seja sempre alguém melhor para você, confie e se não deu tudo certo era porque a melhor hora ainda não chegou.

Se interessou pelo artigo?

Compartilhe com seus amigos. E se decidir fazer terapia, procure a Buscoterapia.

Você que é Psicólogo ou Psicanalista e quer viver de terapia, venha para a Buscoterapia e conheça todas as vantagens que oferecemos, além dos pacientes que estão disponíveis e esperando por você.